O que é Parestesia, Tipos, Causas, Tratamento, Prevenção, Tem Cura?

Podemos definir parestesia como toda sensação não dolorosa e subjetiva que afeta uma região do nosso corpo.

De modo geral, a maioria das pessoas já vivenciou em suas vidas uma parestesia, isso porque dentre os motivo para que ela ocorra está sempre uma alteração na função do nervo responsável pela sensibilidade.

Por isso, qualquer sensação alterada proveniente das terminações nervosas, tais como dormência ou formigamento por exemplo, é uma parestesia.

Outros exemplos comuns de parestesia são:

  • Queimação
  • Sensação de calor
  • Sensação de frio
  • Fisgadas

Algo bem corriqueiro de acontecer e que é uma parestesia, ocorre quando uma pessoa permanece muito tempo sentada sobre um de seus membros, provocando dormência do mesmo.

Por engano, é normal que se confunda esse quadro à causa dessa sensação com a modificação do fluxo sanguíneo, quando, na verdade, isso acontece por acometimento de algum nervo.

Esta condição tem a capacidade de atingir qualquer parte do nosso corpo, principalmente as extremidades, como braços, pernas e face.

No entanto, parestesias que se apresentam de forma prolongada, são ocasionadas por uma vasta gama de doenças e, em casos assim, é sempre aconselhável buscar ajuda de um profissional médico especialista na área, como o neurologista.

Assim, esse profissional saberá o que fazer para que a possível causa dessa alteração seja rapidamente identificada.

Parestesia Temporária

Podemos definir este tipo de parestesia, como o próprio nome já diz, de temporária, ou seja, ela é do tipo “vai e volta”, ocorrendo num determinado tempo e melhorando espontaneamente.

É comum que pessoas que sofrem episódios de pânico e quadros de ansiedade aguda com certa rotina, possam apresentar um quadro ou uma sensação de dormência por todo corpo, sensação que sozinha e de forma súbita acaba passando.

Parestesia Crônica

Já quando temos uma parestesia com duração de períodos maiores que o de uma semana, podemos considera-la como algo crônico.

Em casos assim, esta condição pode ser pensada como decorrente de alguma outra doença ou condição crônica.

Pacientes que tenham diabetes, por exemplo, tem acometido o sistema nervoso periférico, o que pode gerar parestesia.

Etilistas crônicos, que penam com deficiência de vitamina B12, podem também apresentar parestesia, com a sensação de dormência e de perda de sensibilidade nas pernas e demais extremidades corporais.

Possíveis Causas

Entre as causas primárias da parestesia, estão os pinçamentos ou traumas no nervo da sensibilidade por doenças articulares, ósseas e de tendões.

Já entre os motivos secundários, estão as doenças neurológicas, especialmente aquelas do tipo desmielinizante, como a esclerose múltipla, AVC, doenças da medula e dos discos vertebrais.

Existem ainda outras muitas possíveis causas que podem gerar parestesia em um paciente, tais como:

  • Alergia
  • Falta de vitaminas
  • Doenças cerebrais
  • Estresse
  • Inflamações das articulações
  • Doenças vasculares em geral
  • Compressão de nervos

Em ocasiões mais raras, a parestesia podem acontecer por causas orais e bucais, normalmente em decorrência de algum problema nos nervos da mandíbula inferior, como por exemplo num problema causado por procedimento cirúrgico, como a extração do dente do siso.

Esta é a causa mais incomum, porém gera muito incômodo.

Parestesia, Paralisia e Paresia

É importante diferenciar algumas apresentações para não confundi-las.

A parestesia por definição é uma alteração da sensibilidade, enquanto a paralisia é a perda da função motora voluntária.

Já a paresia, por outro lado, sugere uma dificuldade e restrição dos movimentos, quando as funções motoras estão fracas ou limitadas.

Tratamento para Parestesia

Assim como em qualquer outro acometimento, para selecionar a melhor maneira de tratar a parestesia apresentada pelo paciente, é fundamental que, em primeiro lugar, se encontre a causa do problema, ou seja, o que está levando o paciente a apresentar aquele quadro.

Mesmo que durante este curso seja necessário usar alguma medicação para reduzir o incômodo, é necessário se decidir logo qual será o curso do tratamento, que pode ser realizado através da administração de vitaminas, compressas de água quente e fisioterapia, tudo conforme a raiz da sensação e necessidades do paciente.

Para que seja possível readquirir a sensibilidade normal dos nervos, é necessário recuperar a função e condição dos mesmos.

Desta forma, a imensa maioria dos tratamentos abrange uma associação de fármacos que nutrem e melhoram as condições nervosas, junto de terapias que excitam sua sensibilidade e controle, como a fisioterapia neurológica por exemplo, que oferece excelentes resultados aos pacientes.

No decorrer do tratamento de fisioterapia, as regiões do corpo afetadas pelo problema, são estimuladas de muitas formas com o objetivo de forçar os nervos a retomarem suas funções e assim, com o passar do tempo e do tratamento, se recuperarem completamente.

Como prognóstico, é importante dizer que os níveis de melhoria irão depender do grau da lesão do nervo ou da gravidade do problema em geral.

Medicações que Podem ser Prescritas

Entres os principais fármacos que podem ser utilizados por médicos no tratamento da parestesia, estão: os anticonvulsivantes, vitaminas, antidepressivos e analgésicos.

Por poder ter como causa uma série de problemas, que precisam ser investigados com profundidade, é extremamente não recomendado que se tome medicação por conta própria, pois isso pode agravar o problema.

Caso suspeite de algo em seu corpo ou organismo, consulte sempre um médico especialista e só consuma os medicamentos prescritos por ele.

Existe Cura para a Parestesia?

É possível obter em alguns casos de parestesia, porém, quadros já crônicos do problema exigem uma observação e acompanhamento mais próximo e irá depender das causas subjacentes para saber se há ou não cura.

Existindo um tratamento eficaz e seguro para a condição inicial responsável pela parestesia, é possível afirmar que sim, é possível por fim ao problema.

Como Prevenir o Aparecimento da Parestesia?

Assim como na maioria das doenças, temos como forma de prevenção e tratamento da parestesia crônica mudanças radicais no estilo e hábitos de vida.

Adotar uma alimentação balanceada, uma rotina de exercícios físicos regulares, praticar hábitos saudáveis para a saúde da mente, evitar a obesidade, entre outros cuidados é fundamental.

E você, teria alguma experiência nesse sentido para contribuir com todos nós?

Se possível então nos deixe um comentário logo abaixo, pois rapidamente responderemos a todos os nossos leitores.

Veja também: