Dores no Peito – 9 Causas e Como Reconhecer um Infarto

Sentir dores no peito é algo que assusta muito todo mundo, pois o que primeiro vem a mente é a possibilidade de ser algo mais sério, como um infarto.

Porém, na imensa maioria das vezes, essas dores não estão relacionadas a um infarto, mas sim a outras condições clínicas.

Tais sinais muitas vezes podem ser, na verdade, uma fadiga muscular, uma crise de ansiedade, problemas respiratórios ou até mesmo produção de gases em excesso.

Apesar disso, é importantíssimo ficar atento aos sinais e saber diferenciar o infarto de outros tipos de dores no peito.

É possível desconfiar de infarto principalmente em pessoas que tenham hipertensão não controlada ou altas taxas de colesterol no organismo, também sem controle adequado.

Nesse quadro descrito acima, é normal que as dores apresentadas deem uma sensação de aperto muito forte e que não cessa com o passar do tempo, podendo ainda se irradiar para o pescoço e braços.

Na dúvida e como forma de segurança e prevenção para qualquer pessoa nessa situação, é fundamental se dirigir a um hospital sempre que essa dor apresentar algumas das seguintes características:

  • Dor persistente por mais de 20 minutos;
  • Dor que piora com o passar do tempo;
  • Surgimento de tontura;
  • Sudorese fria;
  • Dificuldade para respirar;
  • Formigamento nos braços;
  • Dor de cabeça intensa.

Feitas estas considerações iniciais, vejamos a seguir algumas importantes recomendações sobre como identificar e proceder em certas situações onde uma pessoa apresente dores no peito.

Dores no Peito – Como Identificar em Diversas Situações

1. Estresse e Ansiedade

Mulher com Stress

Estas apresentações provocam um aumento da tensão muscular nas costelas e também elevam os batimentos cardíacos.

Os dois sinais juntos causam muitas vezes uma sensação de dor no peito, que pode aparecer mesmo quando a pessoa não está passando por stress, porém passou por algo anteriormente que a afetou, como uma discussão, por exemplo.

Portanto, pessoas ansiosas, estressadas e as que possuem síndrome do pânico, são propensas a sentir essas dores no peito.

Os sintomas aqui são acompanhados de outros sinais, como uma respiração rápida, muita transpiração, batimentos cardíacos acelerados, vômitos, alterações no intestino, entre outros.

A pessoa nesta condição precisa deitar-se em um ambiente tranquilo, ingerir um chá calmante, como a valeriana ou então realizar alguma atividade que a distraia, como assistir um filme, por exemplo.

2. Produção de Gases em Excesso

Pode ser surpreendente para muitos, mas uma grande produção de gases está fortemente relacionada como a principal causa de dores na região do tórax.

Pessoas com prisão de ventre estão mais sujeitos ao problema.

Por isso, esse problema não está relação alguma com possíveis problemas cardíacos.

Isso acontece por conta do acúmulo de gases no intestino comprimir certos órgãos abdominais, o que pode acabar gerando uma sensação de dor que irradia para a região do peito.

Normalmente, este acometimento produz uma dor em pontada aguda que logo desaparece, mas que surge muitas vezes, sobre tudo ao se dobrar sobre a barriga para alcançar algo no solo.

Fazer massagens locais auxiliam a empurrar os gases, porém, adotar uma posição que facilite a eliminação dos gases também é indicado.

Caminhar por algum tempo também pode ser benéfico.

3. Distúrbios na Vesícula

O consumo excessivo de gordura e a presença de pedras na vesícula, podem gerar uma dor do lado direito do peito e que se irradia para a região cardíaca, o que gera uma confusão com dores de infarto.

Para identificar este distúrbio, é importante dizer novamente que ele atinge principalmente o lado direito do peito e piora após as refeições, principalmente alimentos gordurosos.

A principal estratégia aqui, como não poderia ser diferente, é evitar os alimentos gordurosos e consumir muita água.

4. Infarto

Apesar de ser essa a maior preocupação de quem está com dores no peito, é mais raro que seja realmente um infarto.

Como dito inicialmente, geralmente o infarto está associado a hipertensão descontrolada, colesterol elevado, diabetes descontrolado, pessoas que fumam e que tenham mais de 45 anos.

No infarto a pessoa apresenta uma dor mais localizada no lado esquerdo do peito, como se fosse um aperto e que não melhora quando passados cerca de 20 minutos.

Essa dor pode ainda se irradiar para um dos braços e para mandíbula, gerando uma espécie de formigamento.

Nesses casos é de fundamental importância dirigir-se a um hospital mais próximo para realizar exames adequados que verifiquem um possível infarto ou não, para se tomar as medidas corretas imediatamente.

5. Úlcera Estomacal

Dor no Estômago

Este problema gera inflamações nas paredes do estômago, e as dores provocadas são comumente confundidas com uma dor no músculo cardíaco, graças à proximidade dos órgãos.

Nesta condição temos dores localizadas no centro do peito, mas que podem irradiar para o lado direito.

São mais comuns de aparecerem após as refeições e podem ser acompanhadas de uma impressão de “barriga cheia”, vômitos, etc…

A solução mais adequada aqui é procurar um médico especialista, como o gastroenterologista, que fará os exames necessários para o diagnóstico e o consequente tratamento específico.

6. Refluxo Gastroesofágico

Dietas inadequadas também podem provocar sensações de dores no peito, pois o refluxo gastroesofágico, tão comum nesta situação, está ligado a processos de inflamação do esôfago, que ocorre no momento em que o ácido presente no estômago atinge às paredes de tal órgão.

Em situações como essa, além de queimação, é possível ocorrer dores na região do peito.

Na grande maioria das vezes, a dor está contida no meio do peito ou no esterno, e está associada a queimação, dor de estômago, sensação de aperto na garganta, entre outros sinais.

O que se pode fazer aqui é consumir um chá de camomila ou gengibre, pois ambos melhoram a digestão e reduzem a acidez do estômago, reduzindo a inflamação no esôfago.

Os populares antiácidos ou sal de frutas também são recomendados e é claro, uma mudança de hábitos alimentares é também fundamental.

7. Dores Musculares

Dores Musculares

Seja ao frequentar uma academia de ginástica, tossindo ou mesmo pegando objetos pesados, todas essas situações podem gerar uma lesão muscular na região peitoral que se confunde com dores no peito de infarto.

Situações muitos estressantes ou que causam medo excessivo, também são gatilhos para que os músculos se contraiam muito e fiquem espasmados, gerando inflamação e dor.

Aqui temos uma dor que piora nos movimentos involuntários de respiração, podendo se agravar em rotações de tronco, entre outros.

Uma boa estratégia aqui é fazer repouso, aplicando compressas mornas sobre a região afetada.

Alongamentos dos músculos que tenham origem ou inserção na região também podem contribuir para diminuição da dor, mas para isso, procure um professor de educação física ou Fisioterapeuta.

8. Doenças Cardíacas

Diversos distúrbios cardíacos podem provocar dores no peito, em particular a angina, a arritmia ou o infarto.

Entretanto, também é comum que esse sintoma seja seguido de outros que levam o médico a presumir uma doença cardíaca, tal como cansaço excessivo, dificuldade para respirar, palpitações, entre outros.

Aqui temos um tipo de dor que não parece estar sendo gerada por nenhuma das causas indicadas anteriormente e que vem seguida de outros sinais, como alterações do batimento cardíaco, palpitações, inchaço generalizado, cansaço excessivo, respiração acelerada, entre outros.

9. Distúrbios nos Pulmões

Possíveis dores no peito também são comuns em alterações que ocorrem nos pulmões, como nos casos de bronquite, asma, infecção, entre outros.

Uma parte importante do pulmão localiza-se no tórax, na parte de trás do coração, assim, dores neste local podem ser entendidas ou confundidas como sendo dores de problemas cardíaco.

Normalmente, a apresentação do problema se dá na presença de tosse ou piora ao respirar, especialmente em inspirações profundas. Impressão de falta de ar, chiado ou tosse regular também são comuns.

A melhor opção aqui é consultar um pneumologista para que o mesmo identifique o que está causando o problema, para que o tratamento seja iniciado o mais rápido possível.

Procure um Médico Cardiologista

A ação mais importante a ser tomada aqui é consultar um cardiologista com urgência, para realização de exames cardíacos que busquem identificar se há alteração que possa motivar tais dores e assim começar rapidamente o tratamento.

Por fim, recomendamos novamente e firmemente, que você procure um pronto socorro sempre que sentir qualquer tipo de dor na região torácica, pois na dúvida de qual é a causa, é melhor estar assistido por uma equipe médica que saberá tomar as medidas iniciais de tratamento.

Veja também: