Pular para o conteúdo

Você Conhece Ashwagandha? O Fitoterápico do Homem?

Withania Somnifera

Withania Somnifera

Nome Popular: Cereja-de-Inverno
Nome Latino: Withania Somnifera
Nome em Sânscrito: Ashwagandha

A ashwagandha está incluída entre as ervas mais importantes da farmacopéia ayurvédica.

Classicamente renomada por seus efeitos rejuvenescedores, ela é objeto de considerável atenção científica hoje em dia.

Recentemente, foi chamada de “ginseng indiano” devido aos seus supostos benefícios restauradores, embora esses dois tônicos imemoriais, ginseng e ashwagandha, não sejam botanicamente relacionados.

Em sânscrito, o nome ashwagandha significa “cheiro de cavalo”, sugerindo que essa erva aromática provê a força de um garanhão.

Tem uso tradicional no apoio ao rejuvenescimento após uma enfermidade e como estimulante sexual, tanto para homens como para mulheres.

Às vezes, a ashwagandha é mencionada como afrodisíaca que, na medicina ayurvédica, é um termo aplicado a substâncias que melhoram a qualidade dos tecidos reprodutivos e, também, a potência sexual.

A ashwagandha é rasayana ou rejuvenescedor básico da energia masculina.

Pesquisas em animais sugerem que a ashwagandha pode limitar os danos dos radicais livres devido à sua atividade antioxidante.

Já foi demonstrado que a ashwagandha tem um efeito mensurável sobre o sistema imunológico.

É capaz de proteger a atividade imunológica das células submetidas a substâncias químicas que normalmente inibem seu funcionamento.

Essa propriedade protetora do sistema imunológico da ashwagandha foi pesquisada em razão do possível benefício de serem reduzidos os efeitos colaterais dos tratamentos com radiação e quimioterapia contra o câncer.

Animais anteriormente tratados com ashwagandha que, então, recebem radiação, apresentam uma diminuição menor na produção de leucócitos da medula óssea.

Um efeito protetor similar foi registrado em animais que tomaram ashwagandha antes de receberem uma dose de um potente remédio contra o câncer, a ciclofosfamida.

A ashwagandha pode ter um efeito direto na limitação do crescimento das células cancerígenas.

Extratos de ashwagandha possivelmente aumentam a sensibilidade das células cancerígenas aos efeitos da terapia de radiação.

A combinação da sua capacidade de proteger células saudáveis, enquanto tornam as cancerígenas mais suscetíveis a tratamento, sugere que a ashwagandha talvez desempenhe um papel importante na moderna terapia do câncer.

São necessários estudos mais aprofundados para determinar se esse benefício potencial pode ser válido para as pessoas.

Um dos usos clássicos de ashwagandha é o de acalmar a perturbação mental.

Algumas pesquisas que examinaram a influência da ashwagandha sobre o cérebro registraram efeitos sobre os receptores GABA, onde atuam os remédios tranqüilizantes, como Valium e Ativan.

A ashwagandha é usada no IBRATA por seu efeito tônico e rejuvenescedor.

Devido à sua influência benéfica sobre o sistema nervoso, normalmente a receitamos para as pessoas que se queixam de fadiga, de dificuldade de concentração e um senso geral de desligamento.

Misturada ao leite morno e tomada antes de dormir, as ashwagandha é eficiente paras as pessoas com insônia e ansiedade.

Modo de Usar

Várias empresas americanas que comercializam ervas atualmente vendem ashwagandha em doses de 300 a 500 mg.

Em algumas fórmulas, as pastilhas são padronizadas em uma dosagem específica de witanolídeos.

A dose normal é de 600 a 1.000 mg, duas vezes ao dia.

Uma pastilha ou colher das de chá de ashwagandha em pó, esmigalhada no leite quente e adoçada com mel ou açúcar, intensifica suas qualidades sedativas.

A ashwagandha é uma erva benéfica e rejuvenescedora tanto para os desequilíbrios de vata como de kapha.

Possuindo os três sabores, amargo, adstringente e doce, ela pode ser um tônico para todas as três doshas, embora, por ser levemente aquecedora, ela possa perturbar pitta ligeiramente, quando tomada em excesso.